| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

PANORAMA LOCAL
Desde: 21/04/2005      Publicadas: 50      Atualização: 30/04/2005

Capa |  Gerais  |  Informe-se


 Informe-se

  28/04/2005
  0 comentário(s)


Terá Julgamento do STF sobre o aborto de anencélafo

STF contraria igreja e decide julgar aborto de anencéfalo

O STF (Supremo Tribunal Federal) eliminou nesta quarta-feira o principal obstáculo contra o reconhecimento do direito da mulher de interromper a gravidez nos casos de feto com anencefalia, aceitou prosseguir com a ação que trata desse tema e indicou que, no mérito, irá admitir essa possibilidade de aborto. Por 7 votos a 4, os ministros rejeitaram uma proposta, do procurador-geral da República, Claudio Fonteles, de arquivamento da ação, movida pela CNTS (Confederação Nacional dos Trabalhadores na Saúde). Essa foi uma importante derrota da Igreja Católica, que pressiona o tribunal para que negue o processo, com o argumento de que, mesmo no caso de anencefalia, a interrupção da gravidez implica violação do direito à vida. Seis dos 11 ministros já deram evidências, em julgamentos ou entrevistas, de que votarão a favor do direito da mulher de optar por interromper da gravidez se for detectada a anencefalia. Em julho de 2004, uma liminar do ministro Marco Aurélio de Mello, relator da ação, liberou a antecipação do parto nesses casos em todo o país. Ele disse que não se trata de aborto porque não há chance de sobrevivência do feto fora do útero. A liminar vigorou por quase quatro meses, mas foi derrubada pelo plenário do STF, em outubro. Para a maioria dos ministros, não havia urgência para justificar a sua concessão. Naquele momento e hoje, quatro ministros anteciparam-se ao mérito e concordaram com Marco Aurélio: Carlos Ayres Britto, Celso de Mello, Sepúlveda Pertence e Joaquim Barbosa. Em entrevista, o presidente do STF, Nelson Jobim, foi além, dizendo que é a favor da legalização do aborto, em qualquer caso --basta haver seis votos. Marco Aurélio disse que o julgamento do mérito deve ocorrer neste ano. Neste semestre, o ministro irá promover audiências públicas com os interessados na causa, inclusive representantes da comunidade científica. Hoje, Barbosa lembrou o caso de uma mulher do Rio de Janeiro que passou toda a gravidez submetida a um vaivém de decisões judiciais. Ao final, o parto ocorreu antes do julgamento de um habeas corpus no STF, e o bebê viveu sete minutos. "Ela foi submetida a todo tipo de chicana e arbitrariedade, inclusive por representantes do poder público." Ele criticou o Código Penal, de 1940, que admite duas hipóteses de aborto: se a gravidez decorrer de estupro e se houver risco de vida à mãe. "Estamos diante de uma legislação vetusta, concebida em priscas eras." Os quatro votos pelo arquivamento da ação foram de Eros Grau, Cezar Peluso, Ellen Gracie Northfleet e Carlos Velloso. Eles disseram que o STF substituirá o Congresso na tarefa de legislar porque estará criando uma hipótese de aborto não prevista no Código Penal. SILVANA DE FREITAS da Folha de S.Paulo, em Brasília



  Mais notícias da seção Notícia no caderno Informe-se
30/04/2005 - Notícia - Governo federal diz que só negocia com índios depois de reféns soltos
O endurecimento, pelo governo federal, nas negociações desta sexta-feira em Boa Vista (RR) com a Sodiur (Sociedade de Defesa dos Índios do Norte de Roraima) pode levar a um desfecho imprevisível a tentativa de libertação dos quatro policiais federais mantidos reféns há oito dias na comunidade do Flechal. ...
30/04/2005 - Notícia - Número de mortos em atentados no Egito sobe para três
Dois atentados ocorridos neste sábado, na cidade do Cairo (capital do Egito), em um intervalo de menos de duas horas, deixaram ao menos três mortos. ...
28/04/2005 - Notícia - Deputados espanhóis ratificam Constituição européia
A Câmara dos Deputados da Espanha ratificou nesta quinta-feira o tratado que estabelece uma Constituição européia. ...
27/04/2005 - Notícia - SP pode virar um caos sem ônibus
Motoristas e cobradores de ônibus de SP ameaçam parar nesta quinta ...



Capa |  Gerais  |  Informe-se